top of page
  • Foto do escritorJoão Paulo Moralez

Operação Anaconda. A FAB no Rio Traíra

Muito conhecido do público, mas com poucos detalhes da operação militar em si revelados, o incidente do Rio Traíra teve ampla participação da FAB, incluindo com a 2ª ELO pronta para fornecer apoio aéreo aproximado para as Forças Especiais do Exército Brasileiro que estavam em solo.


Do ambiente litorâneo do Rio de Janeiro e cumprindo uma missão eminentemente de apoio à Esquadra da Marinha do Brasil, a antiga 2ª Esquadrilha de Ligação e Observação (2ª ELO) se deslocou rapidamente para Manaus e depois São Gabriel da Cachoeira, em março de 1991, para dar suporte aéreo no incidente do Rio Traíra, na fronteira com a Colômbia.

Quatro aeronaves T-27 Tucano armadas com pods de metralhadora C-2 de calibre 7,62mm e lançadores para sete foguetes SBAT 70mm realizaram vários voos de patrulha e reconhecimento armado.

A prontidão e o sucesso da 2ª ELO naquele teatro de operações se deu pelo constante treinamento e preparo mantido por todos daquela esquadrilha.

"Nós voávamos mais de 200 horas por ano e tínhamos o avião na mão. Éramos muito operacionais, só de Tucano eu voei mais de 3.500 horas na minha carreira. Quando nós chegamos no Rio Traíra, nós estávamos prontos!".

A operação teve 8 dias de duração e foram voadas 155 horas incluindo o trajeto de ida e de volta até a Amazônia. As missões tinham em torno de três horas de duração sempre com duas aeronaves voando em total silêncio rádio!


Acesse aqui para ouvir o novo episódio!

Patrocínio Master – Saab




233 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Hozzászólások


Sem Título-4.png
bottom of page